Inicio | | Viagens | | Voltinhas | | Manutenção | | TUGATECH | | História da XT |  VELA 

sábado

Corrente de Transmissão



É deveras importante termos uma corrente de transmissão com a manutenção em dia...
A corrente em mau estado ou com uma folga exageradamente incorrecta pode originar um fim trágico...

  • se estiver sem folga, vai aquecer em demasia, desgastar-se muito rapidamente e danificar todo o conjunto, e nem o próprio veio da caixa de velocidades é poupado de um esforço enorme... mas o mais grave é que pode partir a corrente, e provocar um acidente...

  • se estiver com uma folga exagerada, pode saltar fora, desgasta a guia e rolestes guias... e no caso da XT600E quando salta e se enrola no pinhão de ataque parte o cárter... e não é um cenário nada bonito termos um buraco no motor a deitar óleo, e para não falar que podemos sempre perder o controlo da Mota... Um cárter partido é um "bico de obra" que pode originar termos de abrir o motor para ser soldado... mas poderá ser ainda pior se travar a roda traseira em movimento e provocar um despiste...



A corrente tem uma manutenção muito simples e acessível a qualquer pessoa...
Não é necessário termos uma oficina ou uma garagem xpto...
a ferramenta necessária é muito básica .. e a manutenção pode e deve ser feita até na beira duma estrada durante uma paragem para abastecermos o deposito... (isto se formos em viagem, ou não)

Ao longo da sua vida útil  é necessário ajustar talvez um total 5 vezes... e depois deverá ser necessario trocar...

Por norma basta verificar se a sua folga e se continua na tolerância...
e talvez de 5 em 5 mil devemos dar-lhe um ajuste...

Estes valores devem ser apenas considerados para material de origem (DID de o-ring) em utilização normal, e com a lubrificação correcta e adequada... 




----------------------------------------------
VERIFICAÇÃO
----------------------------------------------
E quando estivermos com a "mão na massa",
podemos e devemos aproveitar para verificar mais alguns itens...

  1. folga da corrente,
  2. o desgaste da corrente,
  3. o elo de engate (caso exista)
  4. os 2 roletes guia,
  5. a guia do braço oscilante,
  6. o pinhão de ataque,
  7. e a limpeza ou falta dela...

A inspecção destes itens é rápida, simples e acessível...


1.  Folga da corrente

- devemos ter a mota num local nivelado, sem carga, pesos ou "top case" em cima dela...

- deve estar completamente na vertical, ou seja sem estar apoiada no descanso...


- Puxamos a corrente para baixo, e com uma escala, verificamos o valor...

- Depois levantamos a corrente e verificamos novamente o valor...

- a diferença deverá de ser de uns 4 cm

Uma "dica" que normalmente ponho em pratica; utilizo uma escala metálica e com um imã, fixo a escala ao braço oscilante... se o braço oscilante for de alumínio, não resulta...



O manual diz que a folga deve estar entre os 3 cm e os 4 cm... por norma eu nunca contesto o manual... mas segundo os resultados que tenho tido, optei por usar a folga entre os 4 cm e os 5 cm .
Com a folga nos 3 cm ou 3,5 cm reparei que o pinhão de ataque se gasta mais rápido e que todo o conjunto parece estar sem folga...




2.  Desgaste da corrente,
pode ser avaliado puxando  a corrente  na zona da cremalheira (seta amarela)...

se mostrar meio dente,  deverá ser trocada... (diferença entre setas vermelhas)

e muito provavelmente o resto do conjunto também poderá estar perto do fim (pinhão de ataque e cremalheira)...

também devemos procurar por elos gripados ou outras anomalias... 


3.  Elo de Engate 
o elo de engate com clipe é muito mal visto e tem uma fama de ser um elo fraco...
É comum dizerem que é perigoso e de pouca confiança... Por norma todos preferem o elo de cravar...


Por experiência própria, prefiro o elo de engate com clipe, visto que permite o uso de ferramenta ligeira (alicate) para se manusear...

E posso afirmar que em mais de 200.000 feitos com elos de engate com clipe (da marca DID) nunca tive qualquer problema...


A inspecção consiste em verificar se ele se encontra completo e com o clipe ...





4.  Roletes Guia
Estes roletes servem de batente de fim de curso da corrente... sem eles a corrente poderia roçar no quadro da mota ou na parte de baixo da caixa da bateria...

Devemos garantir que eles rodam livremente, sem sujidade, prisões ou outro factor...

Quem viaja muitos quilómetros com "pendura" e dependendo do peso dos ocupantes e da pré carga da mola do amortecedor, pode originar um desgaste prematuro no rolete de cima...

Se o rolete de baixo estiver preso devido a sujidades  pode originar um desgaste rápido do mesmo, e pode arrancar o clipe do elo de engate quando empurramos a Mota de marcha a trás...




Nesta imagem podemos ver um rolete que ultrapassou em muito o aceitável...

Sobre os roletes tenho AQUI mais algumas informações (final do post)








5.  Guia do braço oscilante
É uma guia feita de teflon e tem uma resistência enorme ao atrito...
ela é responsável por proteger o braço oscilante.
Sem esta protecção o braço oscilante está condenado e a corrente também teria um desgaste brutal...

A inspecção passa por ver se ela se encontra inteira, sem rachas, e com o parafuso de fixação no lugar...



6.  Pinhão de Ataque
O pinhão está protegido por uma pequena tampa de plástico...

Retirar essa tampa dá uma grande "trabalheira"... pois são 2 parafusos mais o pedal das mudanças... e depois é uma zona muito suja onde abundam restos de lubrificação da corrente...
Mas também não há necessidade de tirar a tampa, e temos dois generosos buracos...




- devemos garantir que não existem objectos estranhos nessa zona...
- verificar que a orelha da anilha que fixa a porca do pinhão se encontra OK
- se o pinhão estiver mais de 20 mil km devemos ver o estado dos dentes...



7.  A limpeza ou falta dela
Deve ser uma objecto de controle, para podermos planear a necessidade duma interversão mais a fundo...






----------------------------------------------
Ajustar Corrente Transmissão
----------------------------------------------

A ferramenta do kit é suficiente para executar esta tarefa...

- chave de boca ou luneta 14
- chave de boca ou luneta 22
- chave de boca ou luneta 24

- com a chave 14 para desapertar a pinça de travão (3)

- com a chave 22 e a chave 24 desapertamos o veio da roda (2)

- depois basta avançar uma posição na direcção do (a) se queremos esticar,
e no (b) se queremos folgar...




Depois de garantirmos que o ajuste (numero) está igual dum lado e do outro... e que a roda está totalmente à frente... Apertamos levemente...

Normalmente dou-lhe um ou dois chutos bem assentes para encostar a roda aos esticadores,
também se pode entalar algo macio (cabo do martelo ou um cabo duma chave de vendas) entre a corrente e a cremalheira na parte inferior e andamos com a mota para a frente, e vai empurrar o veio da roda contra os esticadores...


Verificamos a folga  novamente a folga e quando estiver correcta... apertamos tudo definitivamente...
primeiro a porca (2) e depois o parafuso (3)


Para quem tem Chave Dinamométrica, a força de aperto é:
Porca do eixo (2)  90 N.m (9 m.kg)
Parafuso da pinça (3)  45 N.m (4,5 m.kg)


Atenção:
Se a corrente de transmissão tiver uma folga errada, sobrecarregará o motor e outras peças vitais...
Pode acontecer a corrente passar-se ou saltar... ou até mesmo partir-se...
Para evitar corrermos riscos, devemos manter a folga dentro da tolerância...



----------------------------------------------

Lubrificação e Limpeza 
----------------------------------------------

A corrente de O-rings... vem com uma lubrificação interna e os o-rings servem para proteger e manter essa lubrificação dentro dos roletes...

se na limpeza ou lubrificação usarmos produtos que ataquem esses o-ring, vamos tirar kms de vida à corrente...

É importante usar sempre um spray adequado para correntes de o-ring...


O spray que usamos para lubrificar a corrente serve apenas para lubrificar por fora...
ou seja as superfícies que vão estar em contacto ferro com ferro, e sujeitas a forças dos arranques e reduções do motor...


Sobre a limpeza da corrente, eu não tenho experiência nem me apetece fazer tal tarefa... eheheh
Uso um spray que salpica tudo, e que leva as areias consigo... eheheh

Sobre a lubrificação, nunca consegui encontrar um intervalo entre lubrificações...
simplesmente vou olhando para ela no final de cada volta, e baseado no seu aspecto, lubrifico ou não...

A lubrificação deve ser feita com a corrente quente (após pararmos a Mota) e devemos esperar umas 8 horas antes de voltarmos a usar a Mota, para o spray poder entranhar na corrente...
Eu opto por lubrificar a corrente sempre por dentro... pois quando ela entrar em movimento a energia cinética vai levar a lubrificação ao resto da corrente...






Sobre este capitulo... muito mais poderia ser dito...
mas penso que escrevi sobre o mais importante...

Clica AQUI e podes ver um
"Tutorial sobre a troca do Kit de Transmissão"



OBR pela visita







(Imagem  retirada do Manual do Proprietário)





8 comentários:

  1. Mais um excelente Tutorial do Edgar que, pelo menos no meu caso, é sempre um grande ajuda para quem gosta de "sujar as mãos", mas ainda não tem a prática necessária

    Obrigado !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Hugo...

      Temos que começar por uma ponta... eheheh

      ABR
      OBR pela visita :)

      Eliminar
  2. Obrigada por partilhares estas dicas
    abracos
    Camões

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Camões
      espero que sejam úteis ;)
      OBR pela visita
      ABR
      Edgar

      Eliminar
  3. Ola Edgar , parabéns pelo blog e principalmente pela informação sobre Cuidados com a Transmissão meu nome é Emilio hoje sou o Fabricante do produto abaixo : www.lubjet.com.br sistema muito usado em todas as moto faça uma visita em minha pagina no Face será um prazer trocar ideias com voce. abraços
    https://www.facebook.com/pages/Lubjet/249007505224686

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ola Emilio
      Estive a ver o Lubjet... e estive a navegar um pouco pelo site !
      a Lobject aconselha o uso do seu lubrificante, mas na ausência deste o uso SAE 20W40/50 (onde eu quero chegar...)

      - esse lubrificante em causa (SAE 20W40/50) danifica os orings da corrente a médio prazo...

      Não é uma conclusão minha... e são indicações dadas pelo fabricante de correntes DID, e também do próprio manual da minha Mota (pagina 6.26)

      Outra questão que eu acho deveras pertinente...

      - Eu faço muito off road, e por vezes atravesso riachos, ribeiras, e outros cursos de agua...
      É para mim impensável andar com uma corrente lubrificada a contaminar esses cursos de agua...
      A massa que uso em forma de spray foi pensada em preservar os tais orings e foi também pensada a minimizar a contaminação de aguas, e tem uma elevada resistência à chuva.

      Esta é a minha opinião... uma opinião amadora e baseada naquilo que leio...

      em tempos já tinha piscado o olho a sistemas idênticos a esse...
      por exemplo o www.loobman.co.uk que custa 18 libras inglesas e é todo mecânico e sem instalação eléctrica...
      mas simplesmente desisti devido à necessidade que temos de preservar o meio ambiente e também a corrente ;)

      OBR pela visita
      ABR

      Edgar

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Olá Aline
      a massa consistente é uma boa alternativa
      isto se for à base de "sabão de lítio"
      mas existe sempre a dificuldade em por a massa uniforme na corrente...

      MAS...

      para fazer off road, ou rolar por caminhos que projectem areia para a corrente talvez seja uma má alternativa...
      e corremos o risco de a areia agarrar-se à massa e tornar-se abrasiva

      OBR pela visita :)
      Edgar

      Eliminar